Solombra

Solombra

Sinopse

Último livro da extraordinária obra poética de Cecília Meireles, publicado em 1963, um ano antes de sua morte, Solombra traz 28 poemas envoltos por uma silenciosa atmosfera de mistério.A sombra, o tempo, a memória e a solidão permeiam os poemas deste último livro. Mergulhada num reino de dualidades como céu e terra, presente e passado, vida e morte, a poeta nos ensina que os mistérios da vida coexistem em harmonia na nossa condição humana. São poemas que se desenvolvem em penumbra, instantes em que a autora reafirma seu simbolismo em planos absolutamente modernos. Aqui, várias forças opõem céu e terra. Presente e passado, vida e morte. E essa dualidade é elemento onipresente que a poeta trabalha por meio de um lirismo de extraordinário acento.

Autor

Cecília Meireles, nossa poeta maior, nasceu no dia 7 de novembro de 1901, no Rio de Janeiro. Aos 3 anos de idade perdeu a mãe e não chegou a conhecer o pai, que morreu antes de seu nascimento. Órfã, foi criada pela avó materna, Jacinta Garcia Benevides. Casou-se em 1922 com Fernando Correia Dias, artista plástico com quem teve três filhas. O marido cometeu suicídio em 1935 em razão da depressão. Viúva, casou-se novamente em 1940 com Heitor Vinícius da Silveira Grilo, professor e engenheiro agrônomo. Faleceu no Rio de Janeiro, em 9 de novembro de 1964. Foi poeta, ensaísta, cronista, folclorista, tradutora e educadora. Em 1919, a autora publica seu primeiro livro de poemas intitulado Espectros. Em 1934, Cecília Meireles organiza a primeira biblioteca infantil do Rio de Janeiro. Em 1939, é agraciada com o Prêmio de Poesia Olavo Bilac concedido pela Academia Brasileira de Letras pelo livro Viagem. Entre os prêmios que recebeu, estão ainda: Prêmio de Tradução/Teatro, concedido pela Associação Paulista de Críticos de Arte, em 1962; e, no ano seguinte, ganhou o Prêmio Jabuti de Tradução de Obra Literária, pelo livro Poemas de Israel, concedido pela Câmara Brasileira do Livro; no ano de sua morte, recebeu ainda o Jabuti de poesia pelo livro Solombra; e em 1965, o Prêmio Machado de Assis, da Academia Brasileira de Letras, pelo conjunto de sua obra. Sua poesia foi traduzida para o espanhol, francês, italiano, inglês, alemão, húngaro, hindi e urdu, e musicada por Alceu Bocchino, Luis Cosme, Letícia Figueiredo, Ênio Freitas, Camargo Guarnieri, Francisco Mingnone, Lamartine Babo, Bacharat, Norman Frazer, Ernest Widma e Fagner. A Global Editora publica, com exclusividade, todas as obras de Cecília Meireles.