Mudanças sociais no Brasil

Mudanças sociais no Brasil

Sinopse

Analista social ousado e comprometido com o descortinar das incongruências da formação histórica brasileira que obstaculizaram o desenvolvimento igualitário da sociedade, Florestan Fernandes examina em Mudanças Sociais no Brasil elementos constituintes da realidade brasileira por ele identificados no fim dos anos 1950, como o enorme descompasso econômico entre as diferentes regiões do país e a proeminência das prerrogativas particularistas nas relações de trabalho.Segundo o sociólogo, a primeira situação impediria o país de concretizar com eficácia o processo de integração nacional e a segunda, por seu turno, tomaria o lugar que deveria ser ocupado pelas necessidades vitais da sociedade como um todo, as quais regeriam a formação de comunidades socialmente mais justas. Florestan sugere no livro que o Estado deveria empenhar-se em construir um sistema educacional compromissado com a tarefa de preparar "o homem para a vida". Como se sabe, a crença do sociólogo no poder transformador da educação comprovaria-se também por meio de sua destacada atuação na Campanha em Defesa da Escola Pública, iniciada em finais da década de 1950, na qual Florestan posicionou o ensino público laico, gratuito e de qualidade como direito inabalável do cidadão brasileiro. Em Mudanças Sociais no Brasil, o sociólogo mensura com perspicácia os limites dos processos de redemocratização e de industrialização do país, sempre preocupado com a consolidação de mecanismos que permitissem os efetivos avanços sociais que ele tanto desejava. O mais significativo deles seria a passagem de uma ordem democrática "incipiente" para um novo estágio, no qual estaria "plenamente constituída".

Autor

Florestan Fernandes nasceu em São Paulo, em 1920, e faleceu em 1995. Foi professor catedrático na cadeira de Sociologia I da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo. Constituiu uma trajetória singular na sociologia brasileira, consagrando-se como um dos maiores estudiosos da realidade social do país e engajando-se politicamente em movimentos que tiveram como cerne o combate às injustiças sociais vivenciadas pelo povo brasileiro. Afastado da universidade pela ditadura militar com base no Ato Institucional nº5, em 1969, exilou-se no Canadá, onde foi professor titular da Universidade de Toronto. Responsável pela consolidação da sociologia crítica no Brasil, Florestan Fernandes produziu trabalhos de importância fundamental acerca dos principais problemas brasileiros. Pela Global Editora, tem publicadas as obras: A Investigação Etnológica no Brasil e Outros Ensaios, Brancos e Negros em São Paulo, Capitalismo Dependente e Classes Sociais na América Latina, Leituras & Legados, Mudanças Sociais no Brasil, O Negro no Mundo dos Brancos e Sociedade de Classes e Subdesenvolvimento.