Morrer não se improvisa

Morrer não se improvisa

Sinopse

O que fazer quando já não há mais nada a fazer? É certo que a perspectiva da morte arranca a esperança do seio da vida, mas talvez seja o caso de tentar compreender as necessidades emocionais e espirituais daqueles que enfrentam a morte, dando apoio a essas pessoas nesse momento tão especial. Evidentemente não é fácil vivenciar a morte com coragem, mas se falarmos da morte sem preconceitos vamos aprender a lidar com ela de maneira mais serena e veremos que a morte é, na verdade, a maior oportunidade da vida, um momento em que se pode voltar para a verdadeira natureza interna compreendendo que o mais fundamental da consciência humana sobrevive à morte. Baseado em princípios budistas, este livro ensina como ajudar uma pessoa a atingir um estado mental positivo no momento da morte, encontrando paz e plenitude. Relatos de pacientes na fase final da vida, à espera da morte, comentados por profissionais de diversas áreas, fazem deste livro algo vivo "emocionante e encorajador", pois ensina que sempre há alguma coisa a fazer, e faz-nos ver a morte com serenidade e esperança.

Autor

É psicóloga clínica com formação em musicoterapia no Instituto de Orff em Salzburgo, Áustria. Pratica a psicoterapia sob a perspectiva do Budismo Tibetano e, desde 1991, dedica-se ao acompanhamento daqueles que enfrentam a morte. Em 1996 elaborou o livro Oráculo I Lung Ten, editado pela Editora Gaia em 2003. Em 2001 escreveu os livros Viagem Interior ao Tibete e Morrer Não Se Improvisa. Desde 2002 colabora com o site Vida de Clara Luz e em parceria com Peter Webb passou a desenvolver atividades de ecopsicologia no Sítio Vida de Clara Luz.