Melhores Poemas Luís de Camões

Melhores Poemas Luís de Camões

Sinopse

Quando se fala em Luís de Camões as pessoas pensam logo em Os Lusíadas. É natural. A epopeia camoniana é como uma imensa montanha, lançando sombra sobre tudo que lhe fica próximo. Resume o povo português e suas aspirações, sendo, como observou Gilberto Freyre "a mais completa das autobiografias coletivas que um homem de gênio já deixou de sua própria gente".Mas ao lado do épico, há um poeta da mesma altitude, mais próximo das pessoas comuns, cantando como nunca se cantou em língua portuguesa sentimentos como o amor, a amizade, a gratidão, em versos tão fortes e pungentes e com palavras tão lindamente ditas que até parecem escritas diretamente para cada leitor. Esse milagre de gênio se explica pelo fato de cada poema lírico de Camões ser fruto de uma situação vivida com intensidade, em uma vida de muitos amores, aventuras e desilusões. Luís de Camões (1525?-1580) nasceu em uma família da pequena nobreza lusitana, decaída e empobrecida, em local ignorado, talvez Lisboa. A formação cultural se deu em Coimbra, onde adquiriu a imensa cultura expressa em sua epopeia. Na mocidade, frequentou os meios aristocráticos e a boemia, pelas ruelas noturnas de Lisboa. Envolveu-se em brigas, relacionou-se com meretrizes do Bairro Alto. Por razões misteriosas, nunca frequentou os meios literários.Como soldado, combateu contra os mouros em Ceuta (Marrocos), perdendo um dos olhos em combate. Em 1552, após ferir um funcionário do Paço, é preso e enviado a Goa. Viveu dias difíceis no Oriente. Em um naufrágio na costa da Cochinchina perdeu os bens e a companheira chinesa, atingindo a costa a nado, com o manuscrito de Os Lusíadas. Só regressou a Portugal em 1569. Três anos depois publica Os Lusíadas. Graças ao poema, obteve uma pensão concedida pelo Estado, modesta e paga de maneira irregular. Dizem que curtiu miséria e fome.

Autor

Nasceu provavelmente em 1524 e morreu em 1580, em Lisboa. Soldado e poeta, viveu uma vida plena de aventuras a serviço do reino português, batendo-se contra mouros, beduínos e outros inimigos da coroa. Frequentou a corte de D. João III, onde, conta-se, fazia muito sucesso entre as mulheres. Viajante emérito, seguiu para o Marrocos, onde perdeu o olho direito numa batalha contra os mouros. Na costa da Conchinchina, seu navio naufragou e Camões perdeu a companheira Dinamene, mas conseguiu salvar os originais de seu futuramente épico Os Lusíadas. Usou seu enorme talento poético para relatar sua experiência como amante e aventureiro. Escreveu Os Lusíadas, poema-símbolo da língua portuguesa que relata a grande saga dos descobrimentos. Ficou célebre também pelos seus sonetos, considerados obras-primas do gênero pelo apuro poético e rigor da métrica. Pela Global Editora tem publicada a obra Melhores Poemas Luís Camões, com seleção e prefácio de Leodegário A. de Azevedo Filho.