Melhores poemas Henriqueta Lisboa

Melhores poemas Henriqueta Lisboa

Sinopse

Tímida e esquiva, avessa à publicidade, Henriqueta Lisboa fez uma poesia de alta qualidade literária, equilibrada, diáfana, tentando dizer o indizível, seguindo por um caminho pessoal, dos mais fascinantes da literatura brasileira, mas com a inconfundível marca das Minas Gerais. A biografia é singela, sem grandes acontecimentos. Nascida em Lambari, em 1901, formou-se professora no Colégio Sion, de Campanha, MG, onde a diretora lhe deu o apelido de "la petite orgueilleuse", por ser tímida e solitária. Foi professora de literatura hispano-americana na Universidade Católica de Minas Gerais. Manteve correspondência com Mário de Andrade, sendo a personalidade feminina a quem o escritor paulista "endereçou o seu mais delicado diálogo", como observa Fábio Lucas no prefácio Melhores Poemas Henriqueta Lisboa. Faleceu em 1985. As suas primeiras obras, publicadas na década de 1920, ainda trazem as marcas do simbolismo que, de certa forma, persistem até os seus últimos livros. A adesão ao modernismo lhe aguçou a sensibilidade e espantou alguns preconceitos pessoais, permitindo-lhe incorporar sugestões literárias enriquecedoras de sua visão muito pessoal da vida. A sua poesia alcança então uma inconfundível feição pessoal, caracterizada pelo pudor, a discrição, a suavidade, a expressão simples, às vezes um certo preciosismo. Muito prolífica, publicou mais de vinte volumes de poesia. Na década de 1950, Henriqueta já estava consagrada como uma das mais altas vozes da literatura brasileira, por nomes como Carlos Drummond de Andrade e Manuel Bandeira, que a comparam a Cecília Meireles. Mas, quem melhor definiu a sua personalidade talvez tenha sido Mário de Andrade, ao observar em seus versos "a graça inquieta, simples e um pouco agreste, um pouco ácida, dos passarinhos". O canto desse passarinho continua muito agradável aos amigos da poesia.

Autor

Henriqueta Lisboa nasceu em Lambari, Minas Gerais, em 15 de julho de 1901, e faleceu em Belo Horizonte, Minas Gerais, em 9 de outubro de 1985. Poeta, ensaísta e professora universitária. Obra poética: Fogo-fátuo (1925), Enternecimento (1929), Velário (1936), Prisioneira da Noite (1941), O Menino Poeta (1943), A Face Lívida (1945), Flor da Morte (1949), Poemas (1951), Madrinha Lua (1952), Azul Profundo (1956), Lírica (1956), Montanha Viva: Caraça (1959), Além da Imagem (1963), Nova Lírica (1971), Belo Horizonte Bem-Querer (1972), O Alvo Humano (1973), Reverberações (1976), Miradouro e Outros Poemas (1976), Celebrações dos Elementos (1977), Casa de Pedra (1979), Pousada do Ser (1982), Obras Completas 1929/1983 (1985) e Presença de Henriqueta Lisboa (1992). Pela Global Editora tem publicadas as obras Reencontro com o Menino Poeta,Melhores Poemas Henriqueta Lisboa (seleção e prefácio de Fábio Lucas) e participa das antologias Caminho da Poesia,Pé de Poesia,Pois é, Poesia e Traço de Poeta.