Melhores poemas Casimiro de Abreu

Melhores poemas Casimiro de Abreu

Sinopse

As Primaveras, por coincidência lançadas no início da primavera de 1859, tiveram um retumbante êxito de crítica. Nenhum outro livro de poemas, até então, havia recebido tantos elogios na imprensa brasileira. Surgindo num momento em que se esgotava o lirismo noturno, pesado e sufocante da geração de 1840, cujo auge se encontra na poesia de Álvares de Azevedo, o livro de Casimiro de Abreu trazia um arrepio novo à sensibilidade do leitor brasileiro. Era como uma janela aberta numa sala fechada havia muitos anos.O frescor e a espontaneidade dessa poesia, o lirismo simples, os namoricos ingênuos e levemente maliciosos, a melancolia, a certeza da morte prematura ("Se eu tenho de morrer na flor dos anos,/ Meu Deus! não seja já"), a saudade da pátria ("Eu nasci além dos mares:/ os meus lares, meus amores ficam lá!"), o sentimentalismo, tão do agrado da alma brasileira, conquistaram os leitores. Poemas como "Meus Oito Anos", "A Valsa", "Moreninha", eram recitados em todos os saraus.Na época, o público brasileiro interessado em literatura apenas começava a se formar, constituído sobretudo por mulheres e estudantes, em geral embriagados de poesia. As tiragens dos livros eram medíocres, duzentos, trezentos exemplares. Assim, a edição de As Primaveras, de mil exemplares, esgotada em pouco tempo, tornou-se no que hoje se chama um best-seller.Logo, conquistou também Portugal, onde foram lançadas duas edições sucessivas, na década de 1860. Ao longo do tempo saíram dezenas de edições, que fizeram de As Primaveras o livro de versos mais lido de um autor brasileiro, numa prova de como o poeta soube sintonizar com a sensibilidade e os sonhos do povo.Um presente extra nesta seleção de Melhores Poemas Casimiro de Abreu são os deliciosos textos (prefácio e vida do poeta) escritos por Rubem Braga. Afinal, foi preciso mais de um século para juntar essa dupla.

Autor

Casimiro José Marques de Abreu nasceu em Barra de São João, RJ, em 4 de janeiro de 1839. Estudou em Nova Friburgo e depois foi para Lisboa, contra sua própria vontade, estudar comércio. Em Lisboa entrou em contato com o meio intelectual, mas logo adoeceu e retornou ao Brasil, onde iniciou sua produção literária. Escreveu para alguns jornais e nessa tarefa conheceu Machado de Assis. O lirismo recorrente, as rimas repetitivas e a linguagem simples o transformaram em um dos poetas mais populares do Romantismo brasileiro. De toda a sua produção poética, que está reunida na obra As Primaveras, publicada em 1859, destaca-se o poema "Meus Oito Anos". Em 18 de outubro de 1860, quando tinha apenas 21 anos, morreu vítima de tuberculose. Sua poesia ficou marcada por dois traços fundamentais: o pessimismo decorrente do mal do século e o saudosismo nacionalista, que se revela na melancolia produzida pela saudade da terra natal e da infância. Alguns de seus poemas encontram-se em Meus Oito Anos, Melhores Poemas Casimiro de Abreu, com seleção e prefácio de Rubem Braga, e Roteiro da Poesia Brasileira – Romantismo, com seleção e prefácio de Antonio Carlos Secchin, todos publicados pela Global Editora.