Fábula brasileira ou Fábula Saborosa

Fábula brasileira ou Fábula Saborosa

Sinopse

Este ensaio originou-se de pesquisa iniciada em 1987, sobre o zoomorfismo e a simbólica animal, temática fascinante, com múltiplas possibilidades de investigação e reflexão. Uma delas a atraiu sobremaneira, confessa a autora: o que revelaria um estudo sobre a fábula brasileira? A obra é uma resposta a essa pergunta. O ponto de partida da autora foi o ABC da literatura de Ezra Pound, cuja terceira parte é intitulada "Mini-antologia do paideuma poundiano", em que a palavra "paideuma" é definida como "a ordenação do conhecimento de modo que o próximo homem (ou geração) possa achar, o mais rapidamente possível, a parte viva dele e gastar um mínimo tempo com itens obsoletos". Depois de um amplo levantamento do que se pode entender por fábula na literatura mundial, tanto da mais remota humanidade como da atualidade, a autora foi levada à conclusão de que o Brasil é um grande estuário, para o qual convergiram e no qual se mesclaram fábulas de todas as procedências. Nesse estuário, procurou detectar os diferentes tipos de fábula brasileira e acabou por chegar a uma primeira classificação: fábula aprendizagem, fábula didático-moralista, fábula admiração e fábula moderna, cada uma delas subdividindo-se em outros subtipos, que são estudados com cuidado na sua estrutura e de que se dão muitos exemplos convincentes. Tais divisões e subdivisões visam a propiciar um aprofundamento quanto às origens ou natureza de cada forma fabular radicada no Brasil, com especial ênfase à fábula brasileira, que classificamos como "sábia e saborosa", em que prevalece, porém, o gênero fábula admiração. Registra-se, por isso, quando nasce no Brasil ou é recriada por brasileiros, a fábula admiração, sem que se desconheça que isto não impede a circulação, entre nós, dos demais tipos de fábula, até mesmo da fábula didático-moralista, que, por sua vez se subdivide em quatro tipos. Transcorridos vários anos do término dessa pesquisa, em múltiplas ocasiões, com ouvintes de diferentes idades ou escolaridades, tanto do ensino fundamental quanto do médio e do superior (por exemplo, em cursos de graduação ou pós-graduação), ao contar fábulas brasileiras, classificadas como "fábulas admiração", em suas espécies, a autora recebeu um festival de risadas, que interpreta como confirmação da validade de sua tese.