Onde Estivestes de Noite

Onde Estivestes de Noite

00:00 / 00:00

Sinopse

Os textos reunidos em "Onde estivestes de noite" desenham um conjunto heterogêneo, onde é possível identificar o tom das crônicas que Clarice Lispector publicava semanalmente em sua coluna do Jornal do Brasil de 1967 a 1973, reunidas em "A descoberta do mundo" (1984), como também certa crueza e humor que os aproxima daqueles publicados na mesma época em "A via crucis do corpo" (1974). Alguns dos textos, além disso, sofreram um deslocamento, pois já tinham sido publicados anteriormente ("Esvaziamento" e "Um caso complicado"), outros foram extraídos de romances e submetidos a ligeiras modificações, procedimentos que indiciam a urgência que a autora tinha de escrever para garantir sua sobrevivência.
Passo a passo, as narrativas vão compondo uma cartografia de impressões, sensações, notícias da vida carioca, onde figuram também amigos, referências afetivas e artísticas – Alberto Dines, Fauzi Arap, Raul Seixas, Marly de Oliveira, Nelson Rodrigues, Roberto Carlos, Angela Pralini, personagem que reaparece em "Um sopro de vida", e também a escritora, uma "tal de Clarice"–, formando uma série de flashes fotográficos que cristalizam, em imagem, um instante no movimento sem parada da existência. É, aliás, movimento o eixo que enlaça as narrativas desta coletânea. As personagens estão sempre em trânsito. O movimento tanto pode ser obstinadamente direcionado, como pode carecer de leme, pode ter como horizonte a vida, ou a morte. Em qualquer circunstância, no entanto, há um sentimento de solidão e uma zona de silêncio que atravessam essas pequenas peças, o que não impede a narradora de "O relatório da coisa" de dizer: "Acorda-me, Sveglia, quero ver a realidade", e continuar em frente.
BERTA WALDMAN, Profª de Literatura Brasileira e Teoria Literária – UNICAMP/USP

Autor

Clarice Lispector
Clarice Lispector
Uma escritora decidida a desvendar as profundezas da alma. Essa é Clarice Lispector, que escolheu a literatura como bússola em sua busca pela essência humana.Sua tentativa de transcender o cotidiano revela-se em personagens na iminência de um milagre, uma explosão ou uma singela descoberta. Todos suscetíveis aos acontecimentos do dia a dia.Vidas que se perdem e se encontram em labirintos formados por uma linguagem única, meticulosamente estruturada. E é por essa linguagem que Clarice Lispector constrói uma obra de caráter tão profundo quanto universal.

Narrador

Mel Lisboa
Mel Lisboa
Atriz profissional desde 2001, produtora e graduanda em Letras pela PUC-SP, Mel Lisboa já participou de espetáculos de diretores como Gabriel Villela, Zé Henrique de Paula, Paulo Faria, Susanna Kruger, Débora Dubois e Márcio Macena. Já foi indicada aos prêmios mais importantes do país, tais como o Prêmio Shell, Cesgranrio, Prêmio Aplauso Brasil e Bibi Ferreira. Em 2014, ganhou vários prêmios pela sua interpretação de Rita Lee no musical “Rita Lee Mora ao Lado”. Em 2017, junto com Carol Badra, produz o espetáculo “Pescadora de Ilusão”, uma adaptação do livro “A Mulher que Matou os Peixes”, de Clarice Lispector. No audiovisual, seus últimos e mais relevantes trabalhos foram “Pacto de Sangue”, série produzida pela Turner e “Coisa Mais Linda”, série original da Netflix, que teve sua 2a temporada lançada em 2020.