O Príncipe

O Príncipe

00:00 / 00:00

Sinopse

Ao escrever O Príncipe, Maquiavel criou uma espécie de manual de política, que pode ser interpretado de diversas maneiras. O autor viveu durante a Renascença Italiana, época em que reinava grande confusão e nenhum governante se mantinha no poder por mais de dois meses.

A tirania imperava em pequenos principados, havia situações de crise e instabilidade permanente. Talvez tudo isso explique boa parte do pensamento maquiavélico. Diante desse cenário, O Príncipe surge como uma valiosa concepção política, nascida de uma mente genial, repleta de pensamentos nobres e grandiosos, e do sonho de Maquiavel em ver uma Itália unida, coesa.

Para ele, um príncipe legítimo não deve medir esforços nem hesitar em qualquer situação, mesmo estando diante da crueldade ou da trapaça, se o que estiver em jogo for a integridade nacional e o bem do seu povo. O Príncipe é a obra-prima de Maquiavel, estudada e analisada em escolas e universidades de todo o mundo. Trata-se de um texto para ser lido por políticos, empresários, líderes, gestores de todos os tempos e por todo aquele que tem uma mente livre.

Autor

Nicolau Maquiavel

Nicolau Maquiavel

Nasceu em Florença, Itália, em 3 de maio de 1469. Seu pai era advogado e se empenhou em lhe transmitir uma aprimorada educação clássica. Aos 12 anos, Maquiavel já escrevia no melhor estilo e em latim. Era filósofo, diplomata, escritor e pensador político. Maquiavel afirmava que governar é arrancar do homem a sua maldade natural e torná-lo bom. Ele acreditava na capacidade humana de determinar seu próprio destino. Para ele, os fins justificam os meios: um governante deveria fazer qualquer coisa para conquistar seus objetivos. Seu trabalho e suas ideias continuam sendo amplamente lidos e discutidos, e ele é considerado um dos principais filósofos políticos de todos os tempos. De origem relativamente modesta, conseguiu fazer carreira pública, após a expulsão dos Medici, em 1494. Executou várias missões junto a diversos Estados italianos, progredindo rapidamente na carreira. Embora nunca fosse nomeado oficialmente embaixador, dirigiu frequentemente negociações de grande responsabilidade. Maquiavel foi secretário de Estado da República de Florença (1498), desempenhou diversas missões diplomáticas na Itália, na Alemanha e na França e reorganizou o Exército. O fim da República, com a volta ao poder dos Medici (1512), levou-o ao exílio. Aproveitou essa retirada forçada (1512-1520) para escrever a maior parte de sua obra, incluindo Da Arte da Guerra (1519-1520), publicada em língua portuguesa pela Madras Editora. A teoria elaborada por Maquiavel desmascarou as pretensões da religião e da teologia em matéria política, por substituí-las pelo conhecimento verdadeiro das relações que levam as avaliações morais às análises descritivas do campo político.

Narrador

Alexandre Mercki

Alexandre Mercki

Alexandre Mercki, é radialista e jornalista, com graduações na Fundação Armando Álvares Penteado-FAAP e na Universidade São Judas Tadeu, respectivamente.
Narrador, dublador, dramaturgo e ator formado pelo Indac - Escola de Atores, faz parte da Cia Argentobrasileira de Teatro. Atuou nas montagens “ em “O Inspetor Geral”, de Gogol (2012); “A Dama Negra dos Sonetos”, de Bernard Shaw (2013), “Coisas Frágeis”, criação coletiva (2013); “Lisístrata”, de Aristófanes (2014); “Prometeu Acorrentado”, de Ésquilo (2014); “Boca de Ouro”, de Nelson Rodrigues (2015); “Biblioteca de Alexandria”, criação coletiva (2015); e “Os Outros Papéis”, de Carlos Gorostiza (2019).