Da vida nas ruas ao teto dos livros

Da vida nas ruas ao teto dos livros

00:00 / 00:00

Sinopse

A autora, em uma narrativa fluída vai guiando o leitor por um mar de vivências guardadas, como a “escafandrista chefe” de uma expedição pelo território inóspito, profundo e amedrontador das memórias que tentamos deixar afogadas na alma, mas que insistem em subir para a superfície. Nunca é sem ansiedade a decisão de assumir a fala em primeira pessoa para contar histórias verdadeiras tão impressionantes de dores, lutas e também de vitórias, mas, aqui, passa-se longe do discurso fácil que chega ao lugar comum do auto-elogio e da meritocracia tão em voga. Contando sobre a busca de suas origens e as implicações das agruras sofridas, ela nos ajuda a refletir sobre nossas próprias vidas e sobre o que nós, os leitores, fizemos das nossas próprias memórias, dores e vivências. Ao compartilhar conosco sua família, Clarice nos dá a oportunidade da revisão e do exercício da empatia e da renovação pela identificação de nossas humanidades.

Autor

Clarice Fortunato é mulher negra, escritora, professora, pesquisadora, feminista.Doutora em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil – com período sanduíche na University of Exeter, Inglaterra, UK. Atualmente leciona na Secretaria de Estado da Educação de Santa Catarina.

Narrador

Thais Cabral
Premiada Melhor Atriz no Paraná Internacional Films Festival na Argentina com o curta ”Fôrra*. Interpreta a Soraia no longa original Netflix "O Matador", está no elenco dos longas "Cidade pássaro", de Matias Mariani, "Um dia com Jerusa*, de Viviane Ferreira, nas séries "Axogun" da TV Cultura, "O Escolhido" da Netflix, "Hard" da HBO e "Show da História" do Canal Futura. No teatro: "Não lugar" com direção de Marco Antonio Pâmio, "Eles não usam black-tie" com o Coletivo Negro, e "De Boca Cheia" com Nany People foram os últimos trabalhos. 
É formada em Letras Português e Alemão pela USP, atriz pela Escola de Atores Wolf Maya. Estudou interpretação para cinema com José Eduardo Belmonte. 
É bailarina e já ganhou prêmios no Canadá e em São Paulo. Em 2020 tornou-se dubladora pelo estúdio Unidub, onde tem realizado trabalhos de dublagem e localização.